Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. Marcel Proust - A La Recherche du Temps Perdu















terça-feira, 27 de abril de 2010

O século XVII

A Carta de Pedro Teixeira Albernaz (ca. 1595-1662)

Em 1622, Felipe IV de Espanha (III de Portugal) encarregou um conjunto de cartógrafos de elaborar um atlas completo da costa de Espanha, desde os Pirenéus até à Catalunha, incluindo toda a costa portuguesa.
Em 1634 Pedro Teixeira Albernaz, produz um Atlas manuscrito “La descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos”, depositado numa biblioteca em Viena. Este atlas apresenta, para além da cartografia de Espanha, um mapa do conjunto de Portugal Continental e vinte outros da costa portuguesa, em falsa perspectiva e acompanhados de uma descrição textual.
(El Atlas del Rey Planeta. «La descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos», de Pedro Texeira (1634). Editorial Nerea, Felipe Pereda y Fernando Marías editores, Madrid, 2002. Reproduzido em http://arkeotavira.com/)
Pedro Teixeira Albernaz nasceu em Lisboa e morreu em Madrid. Pertencia a uma família de cartógrafos já que o seu pai era Luís Teixeira, e o irmão João Teixeira Albernaz. Sabe-se que no início do século XVII partiu para Espanha onde serviu a corte espanhola.


Carta de Portugal da Barra do Douro
La descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos 1634
Pedro Teixeira Albernaz (c. 1595—1662)


detalhe Carta de Portugal e da Barra do Douro
La descripción de España y de las costas y puertos de sus reinos 1634.
Pedro Teixeira Albernaz (c. 1595—1662)

A carta do Porto e da Foz do Douro
A Foz do rio mostra-se desproporcionada, mas estão assinalados os principais rochedos salientando-se no centro a Cruz de Ferro, no enfiamento do farol de S. Miguel.

Ao longo da margem norte estão assinalados
· O Porto
· Massarelos
· Astilleiro (estaleiro do Ouro)
· S. Y. da Foz
· Castillo
Na margem sul:
· Mosteiro dos Cruzios
· V.la Nova
· Miragaia (?)

A cidade do Porto entre muralhas está representada de um modo bastante esquemático.


Junto à cidade estão fundeadas diversas embarcações e no leito do rio cinco naus.
Massarelos, onde desagua uma ribeira, aqui representada com grande caudal, apresenta uma praia onde estão fundeadas várias embarcações.
A zona do Ouro assinalada como Astilleiro mostra duas embarcações em construção.


Na zona a norte da Foz do Douro, correspondente a Matosinhos, é de assinalar que “…o cartógrafo Pedro Teixeira Albernaz, o qual foi encarregado em 1621, de percorrer as costas peninsulares,… se fixou nas características da foz do Leça, com as surpreendentes pedras – os leixões – que, a pequena distância da terra, cerca de um quarto de légua, formavam um ancoradouro natural onde se abrigavam navios. Albernaz vilumsbrava aí a possibilidade de se ajudar esse dispositivo natural, “levantando sobre las peñas un muelle y fortificandole, fuera el mejor y mas seguro y capaz puerto deste reyno, porque todas oras y tiempo se podia tomar y non com el riesgo de las barras que obligan a guardar por marea y viento para acometer el tomarlas, y sucede muchas veces en este espacio mudar-se de la mar el viento y travesias que los obliga a hacerse a la mar donde se há visto no volver muchos com el trabajo de la tormenta o dar en mar em mãos de piratas y los mejor libran se van a guarnecer a Galicia en sus rias”. (SOUSA, Fernando e ALVES, Jorge Fernandes – Leixões, uma história portuária – APDL, SA. Porto 2002)

Sem comentários:

Enviar um comentário