Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. Marcel Proust - A La Recherche du Temps Perdu















quarta-feira, 15 de junho de 2011

Um percurso visual pela Divina Comédia 3

O Inferno (continuação)

Canto XXII

Cada um a sua culpa logo sente,/e mais quem foi ensejo desse feito;/mas se lançou e disse: “Vou-te à frente!”

d220_thumb2

Giovanni Stradano (1523-1605)- Divina Commedia, Inferno, Canto XXII, 1587, Biblioteca Medicea Laurenziana, Firenze

d113_thumb2_thumb

L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Canto XXIII

No sexto fosso estão os Hipócritas, que transporta pesadas cargas douradas, mas na verdade feitas de chumbo. Caifás e os que condenaram Jesus estão cruxificados no chão.

me disse:”Esse pregado estás a olhar/que disse aos Fariseus que conviria,/pelo povo, homem já martirizar.

image_thumb3_thumb

L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Canto XXIV

Segue-se o sétimo fosso onde estão os Ladrões supliciados e guardados por serpentes, que lhes atam pés e mãos.

as mãos atrás com serpes ligadas;/e lhes cravam a cauda então no rim/e a cabeça, e à frente dão laçadas.

d103_thumb_thumb

William Blake: Inferno, Canto XXIV, O castigo dos ladrões. Illustrations to Dante's `Divine Comedy' 1824-27, Giz, caneta e tinta e aguarela sobre papel, 37,2 x 52,7 cm.Tate Gallery

d230

Henry Fuseli A punição dos ladrões 1772 carvão, 46,3 x 61,3 cm.
Kunsthaus, Zürich

Levanta-te portanto: e vence a queixa/co ânimo leve que vence tal batalha,/se o grave corpo a força não desleixa.

….Vinci l’ ambascia/con l’ animo che vince ogni bataglia/se col suo grave corpo non s’ accascia.

d134_thumb2_thumb

António Carneiro (1872-1930)Vence a dor (canto XXIV do Inferno de Dante) 1928-1930 Lápis, tinta preta e aguada sobre papel, 32,5 x 25,2 cm Museu Nacional de Soares dos Reis

Canto XXV

Neste canto Dante e Virgílio continuam no 7º fosso do 8º círculo.

d221_thumb3

Giovanni Stradano (1523-1605)- Divina Commedia, Inferno, Canto XXV, 1587, Biblioteca Medicea Laurenziana, Firenze

Aqui encontram o ladrão Vanni Fucci,e o centauro Caco, que foi tratado por Virgílio na Eneida. No mito, Caco filho de Vulcano e Medusa, tendo roubado o gado Hércules, achou que poderia esconder o seu crime ao forçar o gado a andar para trás, tentando assim enganar alguém que pudesse localiza-los. Hércules descobriu o roubo e matou o ladrão. O Caco de Dante toma a forma de um centauro.

El si fuggì che non par´`o più verbo;/e io vidi un centauro pien di rabbia/venir chiamando: “ Ov’ è, ov’ è l’ acerbo?”

Ele fugiu e lhe estancou o verbo;/e eu vi logo um centauro com tal sanha/ vir e clamar:”Onde se mete o acerbo?” …

O mestre disse:”Eis Caco:tal estrago,/junto ao monte Aventino fez sozinho,/que o sangue muitas vezes formou lago.

d81_thumb1_thumb

William Blake: o Centauro Cacus 1824-27 36,7 x 51,7 cm. The British Museum

Sovra le spalle, dietro da la coppa,/con l’ali aperte li giacea un draco;/e quello affuoca qualunque s’intoppa.

Sobre os ombros, atrás da nuca em copa,/coma as asas abertas era um drago;/que logo fogo dá a quem quer que topa.

d136_thumb2_thumb

António Carneiro (1872-1930), A Perfídia (canto XXV do Inferno de Dante) c. 1828/30, lápis, tinta da china e aguada sobre papel, 32,7 x 25,3 cm. Museu Nacional Soares dos Reis Porto

Canto XXVI

O Canto inicia-se com uma invectiva contra Florença, cidade natal de Dante de onde foi expulso.

Godi, Fiorenza, poi che se' sì grande /che per mare e per terra batti l'ali,/e per lo 'nferno tuo nome si spande

Goza, Florença, já que assim és grande,/que em terra bates asas e por mar,/e pelo inferno o teu nome se expande!

Entre os ladrões, fui eu cinco encontrar,/cidadãos teus, do que me vem vergonha/ e a ti uma grande honra não vão dar.

A mais antiga imagem de Florença, no tempo de Dante:

d116_thumb_thumb

Escola de Bernardo Daddi (1280-1348) Florença 1342, Museo del Bigallo, Florença

d118_thumb_thumb

Vista de Florença c. 1490 in Crónica de Nuremberg (Liber Chronicarum) de Hartmann Schedel 1493

Hartman Schedel (1440-1514), um médico e humanista de Nuremberg escreve a Liber Chronicarum que se tornou conhecida pela Crónica de Nuremberg, que é uma história do mundo desde a criação até sua publicação em 1493. A sua estrutura segue a história humana relatada na Bíblia, incluindo digressões sobre catástrofes naturais, genealogias reais e as histórias de uma série de importantes cidades do Ocidente. Foi encomendada por Sebald Schreyer (1446-1520) e o seu cunhado Sebastian Kammermaister (1446-1503), ilustrada e gravada por dois artistas Michael Wohlgemut (1434-1519) e Wilhelm Pleydenwurff (c. 1450-1494) e publicada pela Anton Koberger, (1440-1513) o maior editor na Alemanha da época.

No oitavo fosso estão os Pérfidos envoltos em chamas, entre os quais Ulisses e Diomedes, que colaboraram durante a guerra de Tróia.

Diz “Lá dentro se martira/a Ulisses e Diomedes, que à estreme/vingança juntos vão tal como à ira;

e dentro em sua chama cada um geme/o embuste do cavalo que foi porta/ de onde saiu de Roma o nobre seme.

d102_thumb_thumb

William Blake Ulisses e Diomedes na mesma chama

d157_thumb2_thumb

Peter Paul Rubens Aquiles descoberto por Ulisses e Diomedes c.1617, óleo sobre tela 2,485 x 2,695 m. Museu do Prado Madrid

d160_thumb2_thumb

Giovanni Domenico Tiepolo (1727–1804) A construção do Cavalo de Tróia c. 1760 óleo sobre tela, 38.8 x 66.7 cm, The National Gallery, London

Canto XXVII

E quando vi chegar aquela parte/de minha idade em que cada um devia/recolher cabos, velas e estandarte,

já me pesando o que antes me prazia,/penitente e confesso me tornei;/pobre de mim! boas tenções nutria.

d208_thumb2

Priamo della Quercia (c.1400 – 1467) manuscrito com iluminura 1444-1452 Yates Thompson 36 The British Library

Canto XXVIII

No 9º fosso estão os provocadores da discórdia e de cismas, mutilados e com terríveis feridas. Entre eles Maomé e Bertrand de Born,

d101_thumb_thumb

Priamo della Quercia (c.1400 – 1467) manuscrito com iluminura 1444-1452 Yates Thompson 36 The British Library

d222_thumb3

Giovanni Stradano (1523-1605)- Divina Commedia, Inferno, Canto XXVIII, 1587, Biblioteca Medicea Laurenziana, Firenze

Maomé e Ali

vê como Maomé está desfeito!/À minha frente vai chorando.Ali,/fendido , do toutiço ao mento, o aspeito.

d119_thumb2_thumb

Gustave Doré (1832-1883) A mutilação de Maomé, L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Bertrand de Born,(c.1140- c.1215), poeta, mas que lançou a discórdia entre Henrique III e seu pai Henrique II de Inglaterra, trazendo na mão a própria cabeça.

a fronte da guedelha pende ao fim/duma das mãos à guisa de lanterna/e olhando para nós diz: “Ai de mim!”

….

E porque leves novas de meus tortos/feitos, sabe que sou Bertrand de Born,/que ao rei jovem prestou os maus confortos.

d120_thumb2_thumb

Gustave Doré (1832-1883) Bertrand de Born, L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

d161_thumb3_thumb

Salvador Dali Bertrand de Born, La Divina commedia. Illustrated by Salvador Dalí. 3 vols. in 6. Rome and Florence: Arti e scienze and Salani, April 1963 – May 1964

d202_thumb2

Bernard Buffet (1928-1999) L'Homme à la tête coupée c. 1976 gravura 76 x 56,5 cm col. particular

Canto XXIX

mas Virgílio me disse: “Tais miradas/porque é que a vista tua assim investe/por entre as sombras tristes mutiladas?

d100_thumb2_thumb

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Canto XXX

No 10º fosso os alquimistas e falsificadores de metais estão cobertos de lepra.

d163_thumb2

Priamo della Quercia Punishment of the Falsifiers 1444-1452 Yates Thompson 36 The British Library.

d162_thumb2

Sandro Botticelli, Semeadores da discórdia e falsificadores de metais, c.1480-c.1495, desenhos de Sandro Botticelli para a Divina Comédia de Dante, réplicas em miniatura dos originais no Gabinete de Gravura em Berlim e na Biblioteca do Vaticano, com uma introdução e uma explicação de Darstellungg ed. F. homem Lipper. Berlim: Grote G., 1921.

Os falsificadores de pessoas são loucos furiosos que se destroem.

“De Gianni Schicchi são repentes,/e os outros vai raivoso espedaçando.”

d210_thumb

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Entre eles Mirra …”Aquela é a alma antiga/de Mirra celerada, e se tornou/do pai, fora do justo amor, amiga

Ovídio nas Metamorfoses conta que Mirra, filha do rei da Síria, praticou o incesto com o pai, sendo transformada em árvore e gerando Adónis.

d209_thumb2

Bernard Picart (1673 – 1733) La naissance d'Adonis. gravura para As Metamorfoses de Ovídio livro X.

d211_thumb2

Os falsificadores de moeda desidratam-se devorados pela sede.

Os falsificadores de palavra são atacados por uma febre aguda.

Canto XXXI

No fosso dos Gigantes estão Nemrod, que esteve na origem da Torre de Babel, Efialto que não pode mexer o braço que levantou contra Jupiter e Anteu a quem Virgílio pede para o depositar junto com Dante no 9º círculo do Inferno

d167_thumb_thumb

p. 49 (detail) Inferno, Canto XXXI. Dante and Virgil before Ephialtes; Antaeus lifting Dante and Virgil Oxford, Bodleian Library: Holkham misc. 48

d164_thumb2_thumb1

Sandro Botticelli, Gigantes c.1480-c.1495 desenhos de Sandro Botticelli para a Divina Comédia de Dante, réplicas em miniatura dos originais no Gabinete de Gravura em Berlim e na Biblioteca do Vaticano, com uma introdução e uma explicação de Darstellungg ed. F. homem Lipper. Berlim: Grote G., 1921.

d224_thumb3

Salvador Dali canto 31, La Divina commedia. Illustrated by Salvador Dalí. 3 vols. in 6. Rome and Florence: Arti e scienze and Salani, April 1963 – May 1964

Efialto

“Queria este soberbo ser esperto/de seu poder contra o supremo Jove”,/o guia diz, “e o mereceu por certo.

Tem nome de de Efialto…

d166_thumb2_thumb1

Virgil pointing out Ephialtes and the other giants

Nemrod

No fosso dos Gigantes está Nemrod, caçador, que esteve na origem da Torre de Babel como está no Génesis Depois disseram: “Vamos, façamos para nós uma cidade e uma torre cujo cimo atinja os céus. Tornemos assim célebre o nosso nome, para que não sejamos dispersos pela face de toda a terra.”

E a mim depois.”A si mesmo se acusa;/este é Nemrod por cujo desvario/no mundo uma só língua se não usa

d121_thumb3_thumb

Gustave Doré Nimrod e a sua trompa L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Pieter Bruegel representa-o como rei visitando a Torre de Babel no seu célebre quadro.

d165_thumb2_thumb1

Pieter Bruegel(1526/1530–1569) Torre de Babel 1563 óleo sobre madeira 114 × 155 cm Kunsthistorisches Museum Viena Áustria

No primeiro plano à esquerda o rei Nemrod conduz a construção da Torre.

d165a_thumb2_thumb1

Anteu

E ele me disse: “Tu verás Anteu/perto daqui, que fala e está solto./e nos porá no fundo deste breu…

…Tal como se afigura a Garisenda,/quando passa uma nuvem, inclinada,/de modo tal que ao seu encontro penda,

me parecia Anteu, na atenção dada/a vê-lo inclinar-se e foi nessa hora/que bem quisera eu ir por outra estrada.

d99_thumb_thumb

William Blake, Canto XXXI, Anteu, Dante e Virgílio Illustrations to Dante's `Divine Comedy' 1824-27

d168_thumb2_thumb

Gustave Doré Anteu ajuda Dante e Virgílio na descida ao nono círculo L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

d138_thumb2_thumb

António Carneiro (1872-1930), Os Gigantes- Anteu (canto XXXI do Inferno de Dante) c. 1828/30, lápis, tinta da china e aguada sobre papel, 32,7 x 25,3 cm. Museu Nacional Soares dos Reis Porto

Canto XXXII

Dante e Virgílio chegam ao 9º e último círculo onde encontram o Cocito, o lago gelado onde estão os Traidores.

ouvi dizer:”Vê onde pões o passo;/e a planta de teus pés nos não quebrante/tanta testa de irmão mísero e lasso.”

d122_thumb2_thumb

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

d128_thumb2_thumb1

Gustav Doré ( 1832-1883) Dante et Virgile dans le 9e cercle de l'Enfer 1861óleo sobre tela 31,5 x 45 cm. musée de Brou Bourg-en-Bress France

Dante de vermelho e Virgílio de azul contemplam os Traidores condenados ao gelo eterno. No primeiro plano os irmãos Alessandro e Napoleone um guelfo e o outro gibelino, que se matam um ao outro.

image_thumb311_thumb

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

d231

Predis Christoro de (?-1486) Codice Varia 124: Les Tourments de l'Enfer: l'eau froide (c.154r.) Codex contenant les Histoires de Joachim, de sainte Anne, de la Vierge, de Jésus, de saint Jean-Baptiste et de la Fin du monde Italie, Turin, Biblioteca Reale

d143

Henry Fuseli(1741-1825) Dante and Virgil on the Ice of Kocythos 1774
Pena com tinta castanha e aguada cinzenta sobre grafite, 27,4 x 39,0 cm
Kunsthaus Zurich

 

d170_thumb2_thumb1

Priamo della Quercia (c.1400 – 1467) manuscrito com iluminura 1444-1452 Cocito e os Traidores Yates Thompson 36 The British Library.

d171_thumb_thumb

Alessandro Vellutello, O Cócito,1544 Dante con l'espositione di Christophoro Landino, et di Alessandro Vellutello (Venice: Marchio Sessa, 1564).

d201_thumb

Bernard Buffet (1928-1999) les Damnes pris dans les glaces - 1976
óleo sobre tela 250 x 430 cm

Canto XXXIII

Ugolino conta a sua prisão na torre de Pisa e como os seus filhos morreram de fome.

Quando chegou mais tarde um raio estreito/ao cárcere dolente, descobri/em quatro rostos o meu próprio aspeito

d173_thumb2_thumb1d174_thumb2_thumb1

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

d98_thumb_thumb

William Blake Inferno Canto XXXIII 13-93 "Count Ugolino and his sons in prision" Illustrations to Dante's `Divine Comedy' 1824-27

d180_thumb3_thumb

Ernest Meissonier (1815-1891) Ugolin et ses fils en prison Plume et encre brune, lavis brun et rehauts de blanc, pierre noire, 43,2 x 32,5 cm. Musée du Louvre Paris

d137_thumb2_thumb

António Carneiro - Os Traidores - Ugolino (canto XXXIII do Inferno de Dante) c. 1928/30 Lápis, tinta da china e aguada sobre papel 32,6 x 22,6 cm. Museu Nacional Soares dos Reis Porto

d182_thumb2_thumb1

Jean-Baptiste Carpeaux (1827-1875) Ugolin 1860 bronze 1,95 x 1,5 m. , musée d'Orsay Paris

d225_thumb2

Auguste Rodin (1840-1917) Ugolin 1882 a 1906
gesso 139,2 x 173 x 278,6 cm musée d’Orsay Paris

d206_thumb

Sébastien Norblin de la Gourdaine (1796-1884) Mort d’Ugolin et de ses enfants dans la tour de la faim 1836 pedra negra, lavis, realces a branco 19 x 24 cm Galerie Emeric Hahn,Paris

d213_thumb

Pierino da Vinci (ca. 1529-1553) Le Comte Ugolin et ses enfants en prison, visités par la Faim Plume et encre noire, lavis brun, pierre noire 24 × 23,7 cm. Musée des Beaux-Arts Marseille, France

d217_thumb1

Sir Joshua Reynolds (1723-1792) Ugolino and His Children 1770s. óleo sobre tela 125,7 x 176,5 cm. Knole, Kent, UK.

Canto XXXIV

Na quarta zona do lago a Judeca, estão os que traíram os seus benfeitores: Judas traidor de Jesus e Bruto e Cássio, traidores de César.

“É a alma que há no cimo maior pena”,/o mestre diz, “Judas Iscariote:/cabeça dentro, as pernas desordena.

Das duas que debaixo têm garrote,/Bruto pende do negro focinhudo /-vê como ele se estorce! enão dá mote!-:/e é Cássio o que parece tão membrudo.

d123_thumb2_thumb

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Lúcifer está no centro da Terra, com seis asas, três faces e de pernas para o ar.

Alçando os olhos, cri que ia avistar/Lúcifer como eu tinha deixado;/e então o vi de gâmbias para o ar.

d216_thumb

desenhos de Sandro Botticelli para a Divina Comédia de Dante, réplicas em miniatura dos originais no Gabinete de Gravura em Berlim e na Biblioteca do Vaticano, com uma introdução e uma explicação de Darstellungg ed. F. homem Lipper. Berlim: Grote G., 1921.

d223_thumb3

Giovanni Stradano (1523-1605)- Divina Commedia, Inferno, Canto XXXIV, 1587, Biblioteca Medicea Laurenziana, Firenze

d229_thumb4

Alessandro VellutelloLúcifer, no centro da Terra, mastigando pecadores (Canto XXXIV). Dante con l'espositione di Christophoro Landino, et di Alessandro Vellutello (Venice: Marchio Sessa, 1564).

d205_thumb

Ludovico Cardi, dito Il Cigoli (1559-1613) Lucifer, de l’Enfer de Dante, c. 1595 pena, tinta e lavis castanho 26,8 x 21,3 cm Gabinetto Disegni e Stampe degli Uffizi

d97_thumb_thumb

William Blake Lucifer

Então eles finalmente chegados ao centro da Terra, começam a subir para a saída. Nesse túnel eles vislumbram quatro estrelas, o Cruzeiro do Sul (isso mostra que o paraíso fica ao sul do Equador). Para chegar ao Paraíso é necessário antes passar pelo Purgatório.

d226_thumb2

Gustave Doré, Dante et Virgile sortant de l'enfer ; Projet d'illustration pour la planche LXXV de "L'Enfer" de Dante (Paris 1861). Chant XXXIV, vers 129 - 133 : "... et de là nous sortîmes pour revoir les étoiles" (Sous-titre) Strasbourg, 1832 ; Paris, 1883 aguarela e guache sobre papel 30.2, x 45.5 cm. Strasbourg ; musée d'art moderne et contemporain

d179_thumb2_thumb

Gustave Moreau (1826-1898) Dante et Virgile aguarela 16,5 x 25 cm.Musée Gustave Moreau

E finalmente saem do Inferno

d227_thumb2

Gustave Doré (1832-1883) L’ Enfer de Dante Alighieri avec les Dessins de Gustav Doré, traduction française de Pier-Angelo Fiorentino, accompagné du texte italien, Paris, Librairie de L. Hachette et Cª, Boulevard de Saint-Germain, n. 77, MDCCCLXVIII – BNF

Nesse caminho pouco luminoso/entrámos por voltar ao claro mundo;/e sem cuidar de ter algum repouso,/subimos, antes ele e eu segundo,

tanto que eu vi enfim as cousas belas/que tem o céu, por um buraco ao fundo;/e saímos voltando a ver estrelas.

Fim do Inferno

(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário