Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. Marcel Proust - A La Recherche du Temps Perdu















quarta-feira, 29 de junho de 2011

Um percurso visual pela Divina Comédia 5

O Purgatório (continuação)

canto XVIII

p0

p0f

Os poetas atingem o 4º patamar da Preguiça (Acedia) onde os Preguiçosos são obrigados a correr sem parar.

p100

Gustave Doré Dante among the Slothful c.1868 The vision of Purgatory and Paradise by Dante Alighieri (London and New York: Cassell, Petter, and Galpin [1868?].

p130_thumb3

Salvador Dali Baco La Divina commedia. Illustrated by Salvador Dalí. 3 vols. in 6. Rome and Florence: Arti e scienze and Salani, April 1963 – May 1964

Virgílio e Dante, conversam sobre o amor. Dante sonolento é despertado por um grupo de almas guiadas por Maria e César.

A Virgílio é indicada a passagem para o quarto patamar pelo abade San Zeno.

Duas almas gritam exemplos de punição: a fraqueza dos hebreus em seguir Moisés e a dos Troianos na Sicília.

Dante adormece e sonha.

canto XIX

Dante sonha com a "femmina balba", uma mulher horrenda mas que se torna belíssima quando para ela se olha, uma sereia que encanta quem a ouve.

“Eu sou”, cantava, “eu sou a doce sirena,/e  os marinheiros  no alto mar naufrago;/tanto sou de prazer a escutar plena!

p135

Ernesto Canto da Maia Sereia 1938/40 Gesso larg.53 x esp. 45 x comp. 155 cm.  Museu da Guarda

Desvio Ulisses do caminho vago/ao canto meu; e quem comigo cruza/raro se afasta; tanto o embriago!”

p134

Júlio Pomar (1926)  Ulisses e as sereias 1999 Serigrafia 41×30 cm. col. particular

p136

Herbert James Draper (1863-1920) Ulysses and the Sirens 1909, óleo s/tela Ferens Art Gallery United Kingdom

p115_thumb1

Dali The siren ofthe Dream La Divina commedia. Illustrated by Salvador Dalí. 3 vols. in 6. Rome and Florence: Arti e scienze and Salani, April 1963 – May 1964

Retomando o seu percurso o Anjo cancela outro P na testa de Dante, e os poetas passa ao quinto patamar.

p33_thumb

Priamo della Quercia Dante and Virgil among the Slothful; Dante's dream of the Siren 1444-1452 Yates Thompson 36. the British Library.

p101

Gustave Doré Dante with Pope Adrian V c.1868 The vision of Purgatory and Paradise by Dante Alighieri (London and New York: Cassell, Petter, and Galpin [1868?].

Retomando o seu percurso o Anjo cancela outro P na testa de Dante, e os poetas passam ao quinto patamar, dos Avarentos e Pedulários, onde lá vi gente  caída em prantos cheia,/tendo co a terra o rosto ali confuso. As almas entoam o salmo 108, Adhaesit pavimento anima mea (a minha alma está pegada ao chão):

“Adhaesit pavimento anima mea”,/deles ouvia em tão altos carpires,/que a fala se entendia apenas meia.

canto XX

p0

p0g

No quinto patamar, a Avareza (Avaritia), Dante ouve exemplos de pobreza e despojamento, como de Maria:

e por acaso ouvi:”Doce Maria!”/chamar à nossa frente assim no pranto/como faz a mulher que num parto avia;

e a seguir .”Ah, pobre foste tanto,/quando já ver se pode nesse hospício,/onde depunhas o teu fruto santo.”

(nota – das numerosíssimas Natividades, escolheu-se a de Giotto em Pádua, já que é provável que Dante dela tivesse conhecimento)

p138

Giotto , Bondone Ambrogio (c. 1267-1337) Natividade 1305 fresco 2 x 1,85 m. capela dos Scrovegni, Pádua

p138a

detalhe do fresco de Giotto

Ou de Fabrício (Caius Fabricius Lucinus) que recusou as riquezas que Pirro lhe oferecia:

E em seguida ouvi: "Ó bom Fabrício,/com pobreza quizeste antes virtude/que mor riqueza possuir com vício.”

p139

Louis Jean-François Lagrenée (1725-1805) Fabricius recusando os presentes de Pyrrhus 1777

E Dante cita o exemplo de generosidade de São Nicolau, deitando dinheiro para a casa de um pai, evitando que este prostitui-se as sua três filhas virgens.

E ele falava ainda da largueza/que Niccolò fez para , às pucelas,/a honra virginal manter ilesa.

p137a

Fra Angelico (1395–1455) Tríptico de São Domingos c. 1437 têmpera s/madeira . Pinacoteca Vaticanap137

O painel inferior esquerdo 35 × 61,5 cm com o nascimento de S. Nicolau, a vocação de S. Nicolau e o episódio das três jovens.

p137b

Pormenor do painel inferior esquerdo

Dante encontra a alma de Hugo Capeto que reprova a cupidez e os crimes dos seus descendentes: os dois Carlos de Anjou, Carlos de Valois, e Filipe  o Belo, para os quais pede a punição divina.

Enquanto os dois peregrinos se afastam, um terramoto abala a montanha e ouve-se cantar "Gloria in excelsis Deo", de Lucas 2,14

quando senti, qual uma derrocada,/tremer o monte; e me tomam tais gelos/quais tomam gente à morte condenada:

……

“Gloria in excelsis” todos “Deo”/ entendi, do que aos próximos se ouviu,/ao poder escutar o grito seu.

canto XXI

Aparece uma alma como Cristo em Emaús

E eis como escreve Lucas, afinal,/Cristo surgir a dois que eram na via, saído já da boca sepulcral,

Dante refere-se ao Evangelho segundo S. Lucas (24- 13-15)

  13 Nesse mesmo dia, dois dos discípulos iam a caminho de uma aldeia chamada Emaús, que ficava a cerca de duas léguas de Jerusalém; 14 e conversavam entre si sobre tudo o que acontecera. 15 Enquanto conversavam e discutiam, aproximou-se deles o próprio Jesus e pôs-se com eles a caminho; 16 os seus olhos, porém, estavam impedidos de o reconhecer

p140

Duccio di Buoninsegna (c.1255-1319) Reconstrução virtual da parte de trás do altar da Maestà

p140a

Duccio di Buoninsegna (c.1255-1319) painel do altar da Magestade Na estrada para Emaús 1308-11, têmpera sobre madeira 51 x 57 cm.
Museo dell'Opera del Duomo, Siena

Virgílio refere as Parcas (Moiras na mitologia grega)as três filhas de Zeus e de Témis que personificavam o destino humano, que era constituído por um fio que Cloto tecia, Láquesis cuidava da sua extensão enrolando-o e Átropos cortava, pondo fim à vida.

Mas porque essa que fia noite e dia/não lhe tinha puxado ainda a estriga/que Cloto a cada um impõe e avia,

sua alma, tua e minha mana amiga,/não podia vir só se alto se evola,/pois que do nosso modo não lobriga.

p110_thumb2

Giovanni Battista Paggi (1554-1627) Les trois Parques Atropos, Clotho, Lachésis, século XVI pena, tinta castanha, lavis e sanguínea sobre papel 21,6 x 25 cm. musée du Louvre

p160

The Three Fates, The Triumph of Death, c.1510-1520 tapeçaria flamenga Victoria and Albert Museum

p131_thumb2

Vieira Lusitano (Francisco Vieira de Matos 1699-1783) 3 Parcas 1721, água-forte e buril 37,2 x 36,5 cm.Museu Nacional de Arte Antiga

A presenta-se Estácio (Publius Papinius Statius c. 45-c. 96) autor da Tebaida e da Aquileia (que não concluiu),:

Lá inda a gente o nome Estácio assoma:/cantei de Tebas, de Aquiles gentil,/porém caí com a segunda soma.

canto XXII

p0

p0h

O Anjo tira outro P da testa de Dante e os poetas ascendem ao sexto patamar da Gula (Gula) onde os pecadores não podem comer nem beber os alimentos que se lhes apresentam.

Virgílio fala de Clio, a musa da História.

por te tanger Clio a lira fasta,/fiel não me parece te revelas/por fé, sem o que bem obrar não basta.

p141

François Boucher (1703-1770) (atelier de) La muse Clio c. 1750 óleo sobre tela 96 x 140 cm. The Wallace Collection UK

Depois Estácio pergunta a Virgílio pelos poetas da antiguidade e falam das suas personagens como Antígona (uma das mais conhecidas tragédias de Sófocles), da sua irmã Isménia, etc.

Aqui se vê a tua gente vinda,/Antígona, Deipile e Argia/e Isménia em tal tristeza que não finda.

Aparece uma árvore com uma forma estranha de cone com o vértice para baixo.

Mas logo interrompeu doces razões/uma árvore ali em meio à estrada/com pomos de odorantes efusões;

e como o abeto do alto se degrada/de ramo em ramo, em baixo, a que um intruso/não suba, creio ser mais espaçada.

p144

Sandro Boticelli Ascent to terrace of gluttons, conversations with Statius, penance of gluttons c.1480-c.1495 Zeichnungen von Sandro Botticelli zu Dantes Göttlicher Komödie ; verkleinerte Nachbildungen der Originale im Kupferstich-Kabinett zu Berlin und in der Bibliothek des Vatikans ; mit einer Einleitung und der Erklärung der Darstellungg hrsg. von F. Lippermann. Berlin: G. Grote, 1921.

Da parede desce um fio de uma  água licorosa e ouvem-se exemplos de temperança e abstinência: Maria das núpcias de Caná, as antigas mulheres romanas, o profeta Daniel, a idade de ouro e João Baptista no deserto.

Do lado onde o seguir nos era escuso,/caía de alta rocha um licor claro/ que vinha pelas folhas já difuso.

Maria nas bodas de Caná (ver Purgatório canto XIII)

O Profeta Daniel

E as Romanas antigas , no beber,/a água as contentava; e Daniel/desprezou o cibo e adquiriu saber.

p145

Aleijadinho (António Francisco Lisboa, 1730 ou 38? - 1814) o profeta Daniel do conjunto de esculturas em pedra sabão no Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas Minas Gerais, Brasil

S. João Baptista no deserto.

Mel, gafanhotos, foi quanto se mande/a nutrir o Baptista no deserto;/do que ele é glorioso e já tão grande

quanto no Evangelho é descoberto.”

p146

Mestre da Lourinhã, (1.ª metade do Séc. XVI) S. João Baptista no Deserto c. 1515, óleo sobre madeira 146 x 135 cm Museu da Santa Casa da Misericórdia Lourinhã, Portugal

canto XXIII

p102

Gustave Doré The Gluttons before the strange tree c.1868 The vision of Purgatory and Paradise by Dante Alighieri (London and New York: Cassell, Petter, and Galpin [1868?].

p116

Dali The Tree of Punishment La Divina commedia. Illustrated by Salvador Dalí. 3 vols. in 6. Rome and Florence: Arti e scienze and Salani, April 1963 – May 1964

Dante ouve o salmo 51  Miserere mei Deus ("Senhor, tende misericórdia de mim"),

E eis que chorar e entoar se ouvia/”Labia mea, Domine” num modo/tal que deleite e dor já parturia

São os Gulosos que punidos pela impossibilidade de beber e comer, estão esquálidos, todos pele e osso.

Nos olhos sendo toda escura e cava,/e pálida nas faces, lhe mingua/ a pele e sobre os ossos  se alinhava.

Dante recorda o episódio das Metamorfoses de Ovídio, onde Erisícton, o filho do rei da Tessália, é punido por Ceres pela fome, por ter abatido um carvalho sagrado.

p149

Johann Wilhelm Baur (1607-1642) estampa 79 Erisichthon sacram quercum excindi, 1639-1641 ilustração das Metamorfoses de Ovídio, gravura 13,5 x 21 cm. edição Nuremberg 1703

E lembra ainda o episódio de Maria de Elisário, que quando Tito cercou e destruiu Jerusalém em 70 d.C., desvairada pela fome, comeu o próprio filho.

Eu dizia comigo:”Vendo estou/a gente que perdeu Jerusalém,quando Maria o filho debicou!”

p152

Wilhelm von Kaulbach (1804-1874) A destruição de Jerusalém por Tito Vespasiano, 1846, óleo sobre tela 5,85 x 7,05 m. Neue Pinakothek (Munich, Germany)

Entre os penitentes Dante reconhece um amigo de infância Forese di Simone Donati, que lhe explica que a árvore provoca um enorme desejo de comer e beber, que não podem contudo saciar.

E em mim reacende fala que assim reze/o conhecer nos beiços a mudar na/face, e me aviso então ser de Forese.

p147

Gustave Doré, Virgil, and Statius approaching the Gluttons c.1868 The vision of Purgatory and Paradise by Dante Alighieri (London and New York: Cassell, Petter, and Galpin [1868?]. 

canto XXIV

Forese acompanha Dante e fala-lhe de algumas almas, acusadas do pecado de gula como  Bonagiunta Orbicciani de Lucca, o papa Martinho IV, Ubaldino della Pila, Bonifazio Fieschi e Marchese degli Argugliosi de Forli.

Dante chega junto de uma segunda árvore onde algumas almas tentam em vão colher os frutos da árvore enquanto uma voz dá exemplos de Gulosos que foram punidos: os centauros nas bodas de Piritoo e os hebreus na guerra com os Mandianitas.

Dizia:”Recordai, que dos malditos/feitos nas nuvens, enfrentou Teseu/o duplo peito, em ébrios apetitos;

Os centauros, filhos de Ixíon e de uma Nuvem que se fez passar por Hera, foram convidados para a boda de Piritoo, também ele  filho de Íxion e companheiro de Teseu. Os centauros, embriagados, tentaram violar as mulheres presentes. Estas foram defendidas por Teseu e Piritoo, vencendo e pondo os centauros em debandada.

p155

Sebastiano Ricci (1659–1734) A luta entre os Centauros e os Lapiditas c. 1715 óleo sobre tela 63 × 70 cm. col. privada

e aos Hebreus o beber amoleceu,/e não quis Gedeão sua companha,/quando dos outeiros a Madiã desceu.”

Dante evoca o episódio da Bíblia (Juízes 7 4,5) onde Gedeão escolhe os seus soldados pela forma de beber.

4. O Senhor tornou a falar a Gedeão: “Ainda há gente demais. Manda-os descer até à água. Lá, eu farei a seleção para ti. Quando eu te disser ‘este vai contigo’, ele irá; de quem eu te disser ‘este não vai contigo’, esse voltará”.

5. Gedeão mandou o povo descer até à água. E o Senhor lhe disse: “Põe de um lado os que lamberem a água com a língua, como faz o cão; e os que beberem ajoelhados, põe do outro”.

p157

tapeçaria dos ateliers de Bruxelas  Le choix des guerriers selon leur manière de boire, 1650-1700 conjunto de 4 tapeçarias sobre a História de Gedeão, castelo Châteaudun, França

Dante depois do Anjo eliminar um outro P da sua face, acompanhado de Virgílio e Estácio, sobe para o sétimo patamar.

(CONTINUA)

1 comentário:

  1. gostava de estabelecer contacto consigo.

    aerobatica@ gmail.com

    ResponderEliminar