Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. Marcel Proust - A La Recherche du Temps Perdu















domingo, 4 de maio de 2014

Uma pequena correção

 

O Jornal de Notícias na edição de Domingo, 04 de Abril de 2014, traz uma das habituais e excelentes crónicas de Germano Silva intitulada O passal dos cónegos – onde viviam os cónegos da Colegiada de S. Martinho de Cedofeita.

Contudo um pequeno destaque A História do Largo do Priorado, é ilustrado por uma fotografia da Escola Primária, sendo referido ( ou dando a entender) que o edifício foi demolido nos anos 30 do século XX, quando do restauro da Igreja românica de Cedofeita.

av0008

Acontece que eu frequentei essa escola da segunda à quarta classe, entre 1951/52 e 1953/54, tendo no ano de 1954/55 transitado para o vizinho Liceu D. Manuel II (retomando o nome de Rodrigues de Freitas no 25 de Abril).

me3

me4

Assim a escola ainda estava de pé nos anos 50. E foi a reestruturação dos edifícios do Ensino Primário, proposta pelo Plano Auzelle, que a fez demolir a Escola de Cedofeita.

m36O Plano de 1935  SIPA - Sistema de Informação para o Património Arquitectónico/IHRU – Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana

cedofeita2me5

No levantamento de 1948, a Escola ainda se encontra bem assinalada.lev 48

inf31A vermelho a Escola Primária de Cedofeita.

Fotos da Igreja de Cedofeita já totalmente recuperada e onde ainda aparece a Escola Primária. Ao fundo a Faculdade de Farmácia.

me10me9me8

 

O Plano Director após fazer um levantamento da rede escolar na cidade, vai planear a construção de novas escolas, já que o crescimento demográfico e a expansão das áreas residenciais implica a disseminação por toda a cidade de novos equipamentos.

No Plano Auzelle é considerada uma das onze escolas masculinas a substituir.

av0009Pormenor da planta 4.1.1.4 Ensino primário – Análise das escolas masculinas – estado de conservação

Na legenda o quadrado amarelo indica – A substituir

Uma fotografia dos finais dos anos 60 onde já não aparece a Escola.cedofeita1

Nota - Esta mensagem foi retirada de um texto que tenho para publicação neste blogue e que se refere ao Porto da minha infância.

6 comentários:

  1. Bom esclarcimento! Por vezes acho que a população em geral menos interessada por estas coisas da história, pensa que o "passado" é um saco onde tudo o que nele está aconteceu ao mesmo tempo... Neste caso falamos de uma diferença de vinte e tal anos, não sendo grande erro tendo em conta que já somos Portugal desde 868; mas mesmo assim à escala centenar até que seria um erro grosseiro.

    Por curiosidade, há uma foto do Largo do Priorado inserto na V série d'O Tripeiro muito curiosa, que mostra-o com um aspecto do inicio do século XX. Seria interessante para coloca-la numa próxima postagem. Fica aqui a dica.

    Já agora, o meu Obrigado pelo seu interessantíssimo blogue!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sendo especialista em iconografia religiosa, apenas posso apontar que o brasão apresenta uma estrela de oito pontas, que julgo associada com a Companhia de Jesus. Veja-se o brasão do Papa Francisco! Os outros elementos que aparecem no solo simbolizando a sua queda, estarão ainda ligados com os jesuítas que foram expulsos de Portugal, como todos sabem pelo Marquês de Pombal e extintos por Clemente XIV.

      Eliminar
  2. Excelente descoberta este blogue!
    Os meus sinceros parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Caro amigo. Espero o seu retorno rápido ao blogue. Faz-me muita falta. Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Caro Jorge Portojo:
    Tenho andado ocupado com outras actividades e com uma espécie de férias, pelo que não tenho podido ocupar-me do blogue. No entanto tenho algumas mensagens em construção pelo que penso voltar em breve. Um abraço de um leitor atento do seu excelente blogue. Ricardo Figueiredo

    ResponderEliminar
  5. Também passei por essa escola, na mesma época. Na qual tive a fortuna de ter como professor (na 2ª classe, salvo erro), Adriano Vasco Rodrigues. Que voltei a ter como professor de História no 4º ano, no D. Manuel II. Nas salas de aula do centro do edifício existia um canal na parede no qual passava um peso (em granito) que accionava o relógio da fachada. No Bar Napoleão, na Foz do Douro, existia, há uns anos, um relógio que poderá ser o da nossa escola. Será?

    ResponderEliminar