Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveaux paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. Marcel Proust - A La Recherche du Temps Perdu















quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Deambulações pelo Castelo da rua de Santa Catarina 6 parte

 
3 - A muleta [1]
[nota –muita da iconografia e da bibliografia deve-se ao excelente blogue Almada Virtual Museum https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/, de onde com a devida vénia, extraí preciosas indicações para a elaboração deste texto.)

1 - No século XVII, o termo muleta (ou moleta) referia-se a todas as pequenas embarcações do Tejo. Assim o afirma Frei Nicolau de Oliveira em 1620: muitos barcos pequenos a que chamamos moletas, que de contino pescaõ no Rio. [2]

Nessa designação incluía-se os Barcos de Riba Tejo (tratados no ponto 2) a que acrescentamos duas aguarelas de John Cleveley que mostram este tipo de embarcação.
Numa primeira aguarela, citando Camões:

Vejo o puro, suave e brando Tejo,
com as côncovas barcas, que, nadando,
vão pondo em doce efeito seu desejo.
as co brando vento navegando,
outras cos leves remos, brandamente
as cristalinas águas apartando.
[3]

Assim dois barcos de Riba Tejo navegam junto de uma embarcação mercante britânica. Vê-se a forma do casco com a proa e a popa arredondados, e num dos barcos um dos homens está encavalitado na verga.

mu27fig. 1 - John Cleveley the Younger (1747–1786) Men o'war, one flying a red ensign, off a coastline. Desenho à pena e aguarela 14.5 x 19 cm. Colecção particular.

Na outra aguarela, junto à Torre de Belém que se consolida, no período romântico, como imagem identificadora de Lisboa, navegam quatro barcos do Riba Tejo e dois navios da Marinha britânica. A embarcação em primeiro plano tem a latina grande recolhida.

mu26fig. 2 - John Cleveley the Younger  (1747–1786) Captain Cook's ships "Adventure" and "Resolution" on the Tagus off Belem Castle, Portugal aguarela 13,8 x 18,4 cm. Colecção particular.

Os navios britânicos são o HMS Resolution [4] e o HMS Adventure [5]. São os navios que sob o comando do capitão James Cook (1728-1779) realizaram a sua segunda viagem de exploração no Pacífico Sul entre 1772 a 1775, sendo atribuída a Cook a descoberta da Terra Australia Incognita. Nessa viagem o Resolution era comandado por James Cook e o Adventure comandado por Tobias Furneaux (1735-1781). James Cook realizou ainda uma terceira viagem entre 1776 e 1779, com o HMS Resolution agora acompanhado pelo HMS Discovery e na qual perdeu a vida no Arquipélago do Havai.

[1] Sobre a Muleta é indispensável ver Fernando Gomes Pedrosa, A Muleta e a Tartaranha (séculos XV-XX), Comunicação apresentada na Academia da Marinha em 5 de Abril de 2016. [2] Frei Nicolau de Oliveira, Livro das Grandezas de Lisboa, Composto pelo Padre Frey Nicolao d’Oliveira Religioso da Ordë da Sãctissima Trindade & natural da mesma Cidade. Impresso em Lisboa por Jorge Rodriguez Anno 1620 (Tratado Qvarto, Capitvlo VII Do provimento desta Cidade.( pág. 91).
[3] Luís de Camões, Elegia III in Obras de Luís de Camões, Edição completa com as mais notáveis variantes. Lello & Irmão – Editores, 144, Rua das Carmelitas Porto 1970. (pág. 406).
[4] HMS Resolution navio inicialmente denominado Marquis of Gandby e reconvertido na classe collier de 461 toneladas, com uma tripulação de 112 homens e 24 canhões, por Thomas Fishburn (1718-1805) nos estaleiros de Whitby na Inglaterra em 1769.
[5] HMS Adventure navio da classe collier de 336 toneladas, tripulação de 81 homens também construído nos estaleiros de Whitby em 1771.


2 - A Muleta passa a identificar, partir do século XVIII, uma embarcação que difere do Barco de Riba Tejo por apresentar à proa e à ré uns elementos horizontais botalós (ou batelós) * que serviam para amurar e caçar outras velas, dando outra velocidade e sobretudo outra potência quando se impunha o arrasto das redes. Aí podiam armar um maior número de velas de diferentes formatos e dimensões.
* Do francês boutes-hors.

A Muleta passa, assim, a designar um barco de características específicas, pertencendo à família dos Barcos de Riba Tejo como escreve Octávio Lixa Filgueiras na Introdução ao Caderno de Todos os Barcos do Tejo tanto de Carga e Transporte como d’Pesca de João de Souza:

…praticando a navegação de longo curso, os barcos de Riba Tejo, em conjunto com as muletas, pertencem a uma família [cuja] estrutura de base é formada pelo conjunto quilha + ossada. É claro que para aproveitarem reduzidos tirantes de água, o fundo inflectia para dentro, na parte central, afim de a quilha ficar tangente à rasante das curvas de concordância do fundo com os costados.Daí a necessidade de disporem de pás das bordas (para estabilizarem durante a marcha a vela. Quanta à feição aparente desses cascos - proa arrufada com agressivo pregueado metálico de cabeças salientes, bico muito levantado, formas bojudas sujeitas ao forte contraste entre a configuração da boca e a finura dos delgados de proa e de popa; a proa avantajando-se sobremaneira a popa guarnecida com o leme… [1]


mu1fig. 3 - João de Souza, Moleta Batiment qui pêche dans le Tage et en dehors. in Caderno de todos os Barcos do Tejo tanto de Carga e Transporte como d’ Pesca. Estampa 6.

E Fernando Gomes Pedrosa descreve a Moleta representada no Caderno de todos os barcos do Tejo (…) de 1785, da seguinte forma: o mastro curto e muito inclinado para vante, a verga com vela latina, e a vela triangular à proa; os dois botalós, à proa e à popa; a proa arqueada para ré, com a banda metálica e os picos de ferro, (…) a popa é agora recuada, (…) as duas tábuas de bolina, uma a cada bordo, rectangulares…[2]

A muleta pequena era tripulada por 5 ou 6 homens e armava normalmente uma pequena latina (polaca) no botaló de proa. É esta imagem que aparece em muitas das representações do século XIX.
Surge ainda uma muleta grande chamada do Barreiro e do Seixal, uma embarcação com outras dimensões e com uma maior tripulação (à volta de 12 homens) cujas imagens mostraremos na parte final do texto.

[1] Octávio Lixa Filgueiras, Introdução ao “Caderno de Todos os Barcos do Tejo tanto de Carga e Transporte como d’Pesca, por João de Souza, Lente d’Arquitectura Naval e da Companhia de Guardas Marinhas”, Academia da Marinha Lisboa 1985. (ponto 7 pág.20). [2] Fernando Gomes Pedrosa, A Muleta e a Tartaranha (séculos XV-XX) Comunicação apresentada à Academia da Marinha em 5 de Abril de 2016.


3 - A muleta pequena

Fernando Gomes Pedrosa [1] assinala que a mais antiga ilustração da muleta, que ainda não foi mencionada por qualquer autor português, está no álbum Recueil de veues de tous les differens bastimens de la Mer Mediterranée et de l’Ocean avec leurs noms et usages par J. P. Gueroult du Pas publicado em Paris, 1710. [2]

mu2fig. 4 - Pierre-Jacob Gueroult du Pas, (1654-17..), Bateau pêcheur Portugais nommé mulet. Estampa n.º4 (pág.321 numeração manuscrita) no rodapé Gueroult fec. in Recueil de veues de tous les differens bastimens de la Mer Mediterranée et de l’Ocean avec leurs noms et usages par J. P. Gueroult du Pas (…), publicado em Paris, 1710.

Na figura a muleta com apenas quatro tripulantes, apenas apresenta o botaló da proa onde está armada uma vela quadrangular chamada cevadeira.

Duhamel Du Monceau [3] no seu Traité Général des Pesches de 1772 apresenta uma figura de uma mulette portugaise segundo um desenho de Catherine Haussard (17..-17..).

mu3fig. 5 - Catherine Haussard (17..-17..) Mulette Portugaise, planche XXI, Fig. 4, ass. C.the Haussard, sculp. In M. Duhamel Du Monceau Traité Général des Pesches. 1772


A imagem é acompanhada do seguinte comentário de Duhamel Du Monceau:
Les bateaux principalemente destinés pour prendre les Sardines sont montés par cinq ou six hommes, Pl. XXI, fig.4; (… ) ces bateaux sont gondoles; ils relevent beaucoup de l’avant & de l’ àrrière, de sorte qu’il faut que les Rameurs soient au milieu, où ils ont um mât fort incline vers l’avant, & qui porte une grande vergue ou antenne, sur laquelle est encapelée une grande voile latine; il part à l’avant & à l’arriere deux boutes-hors, à l’extremité dequels on amarre les manoeuvres qui servente à trainer le filet (… ) ordinairement on borde un focq sur le boute-hors de l’avant. [4]


[Os barcos principalmente destinados à pesca da Sardinha são mareados por cinco ou seis homens Pl. XXI, fig.4; (… ) estes barcos são gondolas; são muito altos à frente e atrás, de modo que os Remadores tem de se colocar ao meio, onde os barcos têm um mastro muito inclinado para a frente e que sustenta uma grande verga ou antena, sobre a qual se ergue uma grande vela latina; à frente e atrás partem dois botelós (boute-hors) na extremidade dos quais se amarra os cabos que servem para arrastar a rede (…)normalmente iça sobre o botaló da proa uma polaca (focq).]

Esta representação de uma muleta mareada por 5 homens, em que um deles “cavalga” a verga segundo Fernando Gomes Pedrosa:

É muito semelhante à muleta do álbum Recueil de veues (…), de 1710 (fig.2), e muito diferente das tartanas francesas. Vai a navegar e não apresenta o velame para a pesca de arrasto. Tem um mastro, a meio, muito inclinado para vante, com verga e vela latina, e à proa outra vela triangular.
Nos dois botalós, à vante e à ré, amarram os alares da rede (vê-se a rede). O fundo é arqueado, com a proa e popa erguidas, em arco saliente, curvando para dentro. O leme à popa é enorme, agora manobrado por talhas, e em vez de cana do leme, um forte charolo** transversal. Apresenta nos dois bordos uma tábua de bolina rectangular e muito grande. Vê-se um homem agarrado à tábua de bolina e outro sentado a meio da verga. A proa está armada com uma crista de pontas de ferro, tal como se verá nas muletas posteriores. [5]

** Normalmente a grafia é xarolo

No capítulo 2 deste longo texto do blogue apresentamos esta imagem de 1746 para ilustrar o sistema defensivo da barra do Tejo. Numa nau portuguesa parte o padre António Vieira talvez lembrando a canção de Fausto:

Vou no espantoso trono das águas
Vou no tremendo assopro dos ventos
Vou por cima dos meus pensamentos…
[6]

No canto inferior esquerdo aparece representada uma muleta, ainda com a popa arredondada e tendo bem visível a tábua de bolina de bombordo, e os botalós sendo que o da proa enverga uma polaca.


mu39fig. 6 - Oportet me et romam videre. Cabeçalho do Livro IV de A Vida do Apostolico padre Antonio Vieira Da Companhia de Jesus chamado por antonomásia O grande. 1746.

De notar a diferença da popa nestes desenhos, que é encurvada, para o desenho de João de Souza.
O capitão da Marinha Mercante Luís Ascêncio Tomasini, que após abandonar a vida marítima se dedicou à pintura, retratou com rigor a muleta. [7]

mu35fig. 7 - Luís Ascêncio Tomasini (1823-1902) Muleta com a bandeira real, 1887, óleo sobre tela 64 x 81 cm. Palácio do Correio Velho, Lisboa.

mu33fig. 8 - Luis Ascêncio Tomasini (1823 - 1902). Barcos no Tejo entre o Bugio e o Forte de São Julião da Barra óleo sobre madeira redonda diam. 62cm.Cabral Moncada Leilões

A muleta utilizada como embarcação de transporte.

mu30fig. 9 - Autor desconhecido (A.P.D.G.) Sketches of Portuguese Life, Manners, Costume and Caracter. Illustrated by twenty coloured plates. By A. P. D. G. Printed for Geo. B. Whittaker, Ave-Maria Lane London 1826. Desenho entre as páginas 36 e 37 com a legenda Straw Boat unloading . Black women emptyng, threir pots.

E John Cleveley the Younger representa muletas nas suas aguarelas do álbum Views round the Coast and on the River Tagus de 1775.
Numa aguarela intitulada The Praça do Comércio Lisbon (Terreiro do Paço) uma muleta com a popa arredondada e com seis tripulantes está ancorada junto a esta praça, que ainda em construção (repare-se no projecto para o arco da rua Augusta!), também se vai afirmando como uma outra imagem identificadora da cidade de Lisboa.


mu6fig. 10 - John Cleveley the younger The Praҫa do Comércio Lisbon, commonly known as Black Horse Square, and named thus by nineteenth century English visitors to the Portuguese capital signed 'Jno Clevely Junr' (lower left), pen, ink, grey wash and watercolour 28 x 47cm. in Views round the Coast and on the River Tagus de 1775.

Dois marinheiros sobem pela verga para recolher a vela. Esta subida pela verga impunha-se quando a embarcação velejava com ventos mais fortes e era necessário ferrar (recolher) parcial ou totalmente a latina. Era uma actividade perigosa e que requeria muita destreza. Lembremos o quadro de John Thomas Serres de 1823.

mu11fig. 11 - Pormenor do quadro de John Thomas Serres de 1823.

Já na aguarela The river Tagus at Trafaria de John Cleveley, vemos, em primeiro plano, uma muleta mareada apenas por três tripulantes, e rebocando um pequeno escaler. Navega com a latina a todo o pano e com uma polaca. A popa, neste caso, já é rebaixada correspondendo ao desenho de João de Souza (fig.1).

mu4fig. 12 - John Cleveley the younger The river Tagus at Trafaria, in Views round the Coast and on the River Tagus 1775. Views round the Coast and on the River Tagus.

Alexandre Jean Noel desenha uma outra imagem, onde junto ao Terreiro do Paço, (agora com o lado nascente já concluído), onde coloca junto ao cais uma muleta com a latina recolhida que parece corresponder, por inteiro, ao desenho de João de Souza.
Na imagem vê-se ainda uma fragata portuguesa e diversas pequenas embarcações (um escaler, um bergantim, um barco de vela latina e ao fundo diversas embarcações ancoradas no cais.
Por detrás do corpo oriental da praça, surgem as torres da Sé e o Castelo de S. Jorge, outros edifícios que constituem a imagem de Lisboa.

mu7fig. 13 - Alexandre Jean Noel, (1752-1834 ) gravada por John Wells (fl. ca 1790-1809), A view of the Praça do Commercio at Lisbon, taken from the Tagus [drawn by Noel ; engraved by Wells. - Londres : s.n., 1793?], gravura : água-tinta, aguarelada ; 41,8 x 60,5 cm . Biblioteca Nacional Digital.

mu7afig. 14 - Pormenor da imagem anterior.

Nicholas Pocock desenha em 1799 uma vinheta para o Naval Chronicle (publicado entre 1799 e 1818), com uma vista da entrada da Barra do Tejo, onde figura a Torre de Belém e uma muleta com a latina recolhida.


mu40fig. 15 - Nicholas Pockock (1740-1821) Lisbon Harbour [with the Tower of Belem] Vignette Plate XVII From the 'Naval Chronicle'1 Sep 1799, água-tinta 13,4 x 23 cm. National Maritime Museum, Greenwich, London.

A acompanhar o desenho um extenso comentário sobre o Tejo, a Torre de Belém, Lisboa e Portugal, mas onde se destaca um parágrafo sobre a muleta:
The view is taken by Mr. Pocock, as looking to the eastward, or up the Tagus. In front is one of the wessels called Bean Cods; no less remarkable for swift sailing, than for their singular construction. [8]

E já no início do século XIX Robert Batty [9] desenha uma vista do mosteiro dos Jerónimos, em frente do qual se realiza um mercado e entre os barcos ancorados em primeiro plano está uma muleta ainda com a polaca desfraldada.

mu13fig. 16 - Robert Batty (1789-1848)  S.t Geronymo, Belem / painted by Lieut. Coll. Batty ; engraved by H. le Keux. - London : by Moon Boys & Graves, 1830. - gravura : água-forte, BND Portugal.

Também John Christian Schetky [10] ao realizar, provavelmente em 1815 os estudos para o quadro datado de 1831, onde um conjunto de navios tendo no centro a fragata HMS Columbine [11] realiza um exercício na barra de Lisboa (no período que sucede às Guerras Napoleónicas e que antecede a revolução Liberal e as lutas pela coroa portuguesa), coloca em primeiro plano uma muleta (bean cod) navegando entre as agitadas águas do Tejo. [12]

mu9fig. 17 - John Christian Schetky (1778-1874) HMS Columbine and Other Vessels off Lisbon,1831 Óleo sobre tela 63,5 x 106,7 cm. National Maritime Museum, Greenwich, London.

A muleta (bean cod) é desenhada com todas as características que a definem, como a grande vela latina numa comprida verga, o mastro inclinado para a proa curva e denteada, os botalós e o leme de xaroco. O número (sete) e os trajes das personagens a bordo da muleta revelam que esta funciona aqui como barco de pilotagem dos navios que realizam os exercícios no rio Tejo. Ou lembrando Almeida Garrett:

A voz do pescador brama como ellas.
“Piloto!” gritão; e a um signal de bordo
Do alteroso galeão, d'um salto pulla,
- Qual delphim namorado nas campinas
Do azul-escuro mar — o palinuro
Nos segredos do Tejo iniciado.
Rege a manobra fallador apito:
“Ala!—amaina !” Eis passada a estreita boca.
Por onde seus tributos d'agua, et d'ouro
Leva ao Oceano o rio d'Ulyssea.
[13]

mu9afig. 18 – Pormenor da figura anterior.

Um outro pintor Joseph Schranz (1803-1853) [14] realiza duas pinturas com uma fragata inglesa (a H.M.S. Columbine ?) navegando entre diversas pequenas embarcações de pesca.
Na primeira dessas pinturas a fragata está apontada à margem sul do Tejo e uma muleta navega na direcção da proa do navio.

mu8bfig. 19 - Joseph, ou Giuseppe, Schranz 40.7 x 76.3 cm. Christies.

Na outra pintura onde a mesma fragata está fundeada (está sendo arreado um escaler), na direcção da Torre de Belém, quase sempre presente no período romântico como símbolo de Lisboa e do Tejo. À proa da fragata veleja uma muleta com uma vela (varredoura) no botaló da popa. Ao longe, à esquerda, o imponente Palácio da Ajuda, então em construção.

mu8cfig. 20 - Joseph, ou Giuseppe, Schranz, depois de 1834 Christies

George Vivian (1798-1873), no frontispício do álbum Scenery of Portugal & Spain, como imagem identificadora do País e da sua capital, escolhe, enquadrada por uma janela manuelina, a Torre de Belém e o Tejo onde duas muletas navegam rio acima. Na do primeiro plano, de que apenas se vê a proa, está içada uma cozinheira no botaló da proa.

mu12fig. 21 -George Vivian(1798-1873) in Scenery of Portugal & Spain, 14 Pa ll Mall, East P. and D. Colnaghi and Com. London 1839.

Numa aguarela de Charles Gore , junto à Torre de Belém, por entre um conjunto de pequenas embarcações, entre as quais se destacam duas muletas, dois navios mercantes lembrando os versos de Shakespeare no Mercador de Veneza:

Salarino -
Your mind is tossing on the ocean;
There, where your argosies with portly sail,
Like signiors and rich burghers on the flood,
Or, as it were, the pageants of the sea,
Do overpeer the petty traffickers,
That curtsy to them, do them reverence,
As they fly by them with their woven wings...
[15]

mu41fig. 22 - Charles Gore (1729-1807) pena, tinta negra e aguarela 15,7 x 31,7 cm. National Maritime Museum, Greenwich, London.

De J. Catãno (?) uma outra pintura com uma muleta navegando junto à Torre de Belém.

mu42fig. 23 - J. Catãno, The Tower of Belem (cenário fantasista),  entre 1875 e 1900. guache 23,7 x 25 cm. Biblioteca Nacional Digital.

[1] Fernando Gomes Pedrosa, A Muleta e a Tartaranha (séculos XV-XX) Comunicação apresentada à Academia da Marinha em 5 de Abril de 2016.
[2] Pierre-Jacob Gueroult du Pas, (1654-17..), Recueil de veues de tous les differens bastimens de la Mer Mediterranée et de l’Ocean avec leurs noms et usages par J. P. Gueroult du Pas Inspecteur des Ponts et Chaussées, Chez Pierre Giffart, Libraire & Graveur ordinaire du Roy, rue Saint Jacques, à l’Image sainte Therese. Paris M D C C X Avec privilegie du Roy.
[3] Henri Louis Duhamel du Monceau (1700-1782 ), membro da Real Academia das Ciências desde 1738, de que aliás foi presidente, escreveu sobre diversos assuntos desde barcos e pescas, até à botânica ( foi colaborador e rival de Buffon o autor da Histoire Naturelle) e a gestão das florestas.
[4] Henri Louis Duhamel du Monceau (1700-1782 ) Traité Général des Pesches. Seconde Partie. Et Histoire des PoissonsQuellees fournissent, tant pour la subsistance des hommes, que pour plusieurs autres usages qui ont rapport aux Arts et au Commerce. Par M. Duhamel Du Monceau, de l’Académie Royale des Sciences; de la Société Royale de Londres, des Académies de Pétersbourg, de Palerme, & de l’Institut de Bologne; Honoraire de la Société d’Edimbourg, & de l’Académie de Marine; Associé à plusieurs Sociétés d’ Agriculture; Inspecteur général de la Marine. Paris, Chez Saillant & Nyon, Libraires, rue S. Jean-de-Beauvais et Chez Veuve Desaint, Libraire, rue du Foin S. Jacques. M. DCC. LXXII.(Section III De l’Alose, & des Poissons qui y ont rapport. Art.III Pêche des Sardines en Portugal, pág.444)
[5] Fernando Gomes Pedrosa, A Muleta e a Tartaranha (séculos XV-XX) Comunicação apresentada à Academia da Marinha em 5 de Abril de 2016.
[6] Fausto Bordalo Dias Por este rio acima, 1982.
[7] Muitos dos pintores de marinhas eram oficiais ou marinheiros no activo nas respectivas Armadas. As Academias Navais ministravam conhecimentos de desenho e de pintura. Note-se que no século XVIII é criada por D. Maria I a Academia Real da Marinha (1779), que incluía a Aula de Debuxo Naval. No Porto é criada a Academia Real da Marinha e Comércio em 1803, mas que anexou as já existentes Aula de Náutica (criada em 1762) e a Aula de Debuxo e Desenho (criada em 1779).
[8] The Naval Chronicle Volume II from July to December MDCCXCIX Published by Bunney & Gold, Shoe Lane London. (pág.209)
A vista é tomada por Mr. Pocock, olhando para nascente ou seja para montante do Tejo. No primeiro plano está um dos barcos chamados Bean Cods; não só notável pelo seu rápido velejar, como pela sua singular construção.
[9] O tenente-coronel Robert BATTY (1789 - 1848) foi um ilustrador e topógrafo. Filho de um cirurgião e também pintor de paisagens. Em 1813, Batty pertenceu ao regimento Grenadier Guards que combateu na Guerra Peninsular.Ao longo da vida, e publicou diversos livros ilustrados das suas viagens: Um esboço da Campanha No final da Holanda, 1815; Um esboço histórico da campanha de 1815; Campanha da ala esquerda do exército aliado,1823; Cenário Galês, 1823; Cenário alemão, 1823; Cenário do Reno, da Bélgica e Holanda, 1826; Cenário Hanoverian e Saxónio, 1829; Seis Vistas de Bruxelas, 1830; Um passeio de família através de Zuid-Holland, 1831; Vistas das principais cidades da Europa, 1832 e O motim e a Apreensão da H.M.S. Bounty, 1876.
[10] John Christian Schetky (1778-1874) pintor escocês foi professor de desenho na Royal Naval Academy de Portsmouth de 1811 a 1836, ano em que foi encerrada. Tornou-se então professor na East India College em Addiscombe, onde permaneceu até 1855. Em 1820 recebeu de Georges IV o título de Marine Painter in Ordinary, confirmado em 1844 pela rainha Vitória.
[11] HMS Columbine Fragata de 18 canhões, foi construída em 1806. Esteve em Portugal entre 1812 e 1813. Serviu na costa norte-americana e no Mediterrâneo. Naufragou na Grécia em 1824.
[12] Para quem aprecia existe um Jigsaw puzzle com este quadro de John Christian Schetky.
[13] Almeida Garrett, Camões Na Livraria Nacional e Estrangeira, Rue mignon, n.º2, faub. St. Germain Paris 1825. (Canto I, pág.9).
[14] Joseph, ou Giuseppe, Schranz (1803-1853) nasceu em Porto Mahón, Minorca, e foi um dos três filhos artistas do pintor Anton Schranz (1769-1839).
[15] William Shakespeare The Merchant of Venice, act I, scene I: a steet of Venice.
Salarino -
Vosso espírito voga em pleno oceano,
Ali, onde vossos galeões de altivas velas –
como senhores e ricos burgueses das ondas,
ou, por assim dizer, na aparatosa vista sobre o mar –
olham de cima a multidão de humildes mercadores
que os saúdam, inclinando-se numa reverência
quando por eles passam com tecidas asas.






































































































Sem comentários:

Enviar um comentário